Artigo: O novo consumidor e o propósito das marcas

Por Monique Campos 
Superintendente de Marketing Corporativo da Almeida Junior

As empresas afirmam com frequência que o consumidor é quem manda. Proponho uma reflexão para entender quem é este tal de “consumidor”. Consumir significa comprar. Mas comprar pelo simples ato de adquirir deixou de ser o desejo final das pessoas. O novo cliente quer mais do que isso. Ele busca uma conexão verdadeira com o produto, uma identificação sinérgica com o propósito daquela marca. Ter um carro que represente seu sonho de consumo é muito mais do que ter o modelo mais recente com os acessórios. Precisa ter sinergia com seu lifestyle e com seus valores. O desafio de vender para este novo consumidor requer um posicionamento transparente das empresas, algo que não pode ser vendido naquela propaganda que traz o preço parcelado em 10 vezes.

Fazer a conexão com o cliente exige comprometimento entre a teoria e a prática; entre o que é postado nas redes sociais e o que ele encontra no ambiente físico. Ele quer saber de onde veio o seu produto, como foi produzido, quem está vendendo.  Quer ir às compras e poder levar seu bichinho de estimação. Quer encontrar ofertas e comodidades com um simples toque no celular e fazer suas escolhas  com base no mundo de informações que  tem à disposição no ambiente virtual. Este consumidor busca experiências novas que integrem o mundo digital e o físico, o chamando omnichannel, onde não existe escolha de um em detrimento de outro. Os dois convergem para trazer uma experiência mais completa.

O cliente ficou  mais exigente e não quer dizer que está mais difícil conquistá-lo. Ele quer autenticidade além dos quatros Ps (produto, preço, praça e promoção).  A marca precisa responder com transparência: quais são os meus valores e qual a conexão que eles fazem com o meu cliente? Geralmente a resposta está na essência e é mais simples do que imaginamos. Só precisa ser genuína.

O exercício  não significa jogar fora todos os ensinamentos de marketing que usamos até hoje para atrair o consumidor – afinal quem não gosta de um bom desconto? – mas precisamos ir além da venda. É necessário fazer o cliente perceber o verdadeiro valor da marca e trocar a conquista pelo bolso por a conquista afetiva, que proporciona uma relação sólida e duradoura com seu negócio.


Deixe uma resposta