Inteligência de mercado como ferramenta de gestão

Por Bruno Breithaupt, presidente do Sistema Fecomércio SC Sesc|Senac

Toda crise abre espaço para criarmos oportunidades. Nesse momento que vivenciamos uma tímida retomada da confiança do consumidor catarinense, nós empresários devemos voltar nosso olhar para a gestão, fazendo uso de ferramentas que auxiliam na tomada de decisão.

O uso de ações disruptivas, como mudanças de melhoria contínua, trazem benefícios aos negócios, assim como a análise de indicadores relacionados ao público-alvo. O conjunto de percepções do consumidor no processo de compras – efetivação e atributos que influenciam no consumo, experiência de compra e qualificação no atendimento – são estratégias que tornam seu negócio ímpar no mercado. Essa inovação deixa o cenário mais competitivo e com isso há a necessidade de maior diversificação e diferenciação dos serviços.

Atenta às mudanças, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio SC) há décadas vem atuando em favor do setor e ao lado do empresário no enfrentamento dos desafios conjunturais. Através de nossas pesquisas econômicas realizadas mensalmente, disponibilizamos informações de inteligência de mercado, com dados confiáveis dos principais indicadores como de consumo das famílias e endividamento dos catarinenses. Realizamos valiosos estudos que cruzam dados do volume de vendas e comportamento na hora da compra nas principais datas comemorativas para o comércio de Santa Catarina, elementos esses que mensuram o desempenho de mercado e norteiam o planejamento do empresário.

É possível afirmar que os indicadores do estado estão em uma trajetória de ascendência, acima da média em comparação com outros estados do Brasil. Alcançamos em agosto a décima alta consecutiva no volume de vendas, com crescimento de 16,4% em relação a 2016, segundo IBGE.

Os números atestam a pujança de nossa economia e a possibilidade de retomada do crescimento tão logo as incertezas políticas se dissipem e o emprego e a confiança do consumidor sejam restabelecidos. Representando um setor responsável por gerar 63,5% da riqueza no estado que emprega 1,4 milhão de pessoas, é nosso compromisso defender a competitividade e longevidades das empresas catarinenses.