Pacto pela Inovação: Entidades apresentam resultados e avaliam ações

Encontro discute inovação em Santa Catarina (Foto: Acate/Divulgação)

Uma convergência de múltiplas entidades comprometidas em transformar Santa Catarina no estado mais inovador do mundo até 2030. Com este propósito, o Pacto pela Inovação apresentou as ações que ocorrem há cerca de um ano e que vem ganhando força em Santa Catarina em evento realizado em Florianópolis no último dia 10, no Instituto da Indústria (SESI/SENAI), no Sapiens Parque.

O Pacto pela Inovação teve sua largada em 30 de outubro de 2017, quando os líderes de 30 entidades que promovem inovação, ciência, tecnologia, empreendedorismo e educação assinaram um acordo de cooperação, comprometendo-se com ações para acelerar o desenvolvimento do ecossistema catarinense de inovação e trabalhar de forma integrada em diversas frentes. A ideia foi, também, unir esforços para solucionar defasagens do empreendedorismo inovador em SC. A estratégia, coerente com a nova realidade em que vivemos, tem a participação do Estado, que deixa de ser mero financiador, para atuar como um integrador, organizador e aglutinador.

O coordenador do movimento, Jean Vogel, destacou que o Pacto não é um movimento do Governo. “É um processo de liderança completamente distribuído. Do contrário, não conseguiremos que o movimento conquiste seu propósito”, ressaltou. Ele citou o projeto de implantação dos Centros de Inovação, que, baseado na tríplice hélice: academia, governo e empresas; tem o objetivo de ativar o ecossistema de inovação em todo o Estado. “Outro estado dificilmente está no mesmo nível em que estamos.

Temos uma condição única, e especialistas do mundo todo estão enxergando isso de fora, falta nós aqui, despertarmos para isso”, refletiu Vogel. O diretor do SENAI, Jefferson de Oliveira Gomes, destacou a atuação singular do Pacto. “Não é todo estado que consegue integrar e congregar desta forma um ecossistema inteiro. Aqui não temos princípios idealistas, nossa bandeira é a inovação, a colaboração, o desenvolvimento”.

Para o presidente da Acate, Daniel Leipnitz, o Pacto tem o objetivo primordial de encontrar mecanismos para gerar novos empreendedores, gerar empresas e emprego e renda. “Acreditamos na união de forças, nas diversas entidades e diferentes competências colaborando e se complementando para alcançarmos mais rápido nossos objetivos comuns. Assim, somos muitos mais fortes”, frisou.

O Superintendente da Fundação Certi, José Eduardo Fiates, concluiu que Santa Catarina vive um momento de maturidade e que tem que ser aproveitado, com ambientes que permitem criatividade, convergência e consequentemente, geram  mais confiança. “O Pacto representa a ampliação desta visão. Temos que desenvolver um estado cada vez mais inovador, referência no segmento”.

A programação contou ainda com a participação do chefe de departamento de Engenharia Mecânica da UFSC, o professor Sérgio Gargioni, que falou sobre os desafios atuais que as Universidades precisam enfrentam para se transformar junto com um mundo em transformação.

Com informações da Acate


Deixe uma resposta